NOTÍCIAS

HOME / NOTÍCIAS

11/09/2019 Setembro Amarelo: Falar é a melhor solução

Amarelo é a cor da vida, da luz e do sol. É também a cor que caracteriza o mês de setembro e dá nome a campanha de valorização a vida e prevenção ao suicídio. A Caixa de Assistência dos Advogados do Rio Grande do Norte – CAARN, apoia essa causa e acreditar que falar é a melhor solução.

O suicídio está entre as três maiores causa de morte entre pessoas com idade entre 15-35 anos, ocasionando um impacto nefasto e imensurável, na seara psicológica, social e financeira em uma família e na comunidade em geral. 

Por que é necessário estar atentos?

Por ser o suicídio um fenômeno complexo e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero, vem atraído a atenção de filósofos, teólogos, médicos, sociólogos e artistas através dos séculos, mas ele continua acontecendo, porém o suicídio pode ser prevenido! E estejamos certos de que algumas ações podem ser feitas por todas as pessoas. 

Reconhecendo os sinais

Saber reconhecer os sinais de alerta em si mesmo ou em alguém próximo a você pode ser o primeiro e mais importante passo. Não há uma “receita” para detectar seguramente quando uma pessoa está vivenciando uma crise suicida, entretanto, um indivíduo em sofrimento pode dar certos sinais, que devem chamar a atenção de seus familiares e amigos próximos, sobretudo se muitos desses sinais se manifestam ao mesmo tempo. Assim sendo, foi observado, como forma de exemplo, alguns sinais, como das pessoas que:  

- costumam falar sobre morte e suicídio mais do que o comum;  

- confessam se sentir sem esperanças; culpadas; 

- tem falta de autoestima;  

- têm visão negativa de sua vida e futuro (essas ideias podem estar expressas de forma escrita, verbal ou por meio de desenhos);  

- podem se isolar, não atendendo a telefonemas, interagindo menos nas redes sociais, ficando em casa ou fechadas em seus quartos, reduzindo ou cancelando todas as atividades sociais, principalmente
aquelas que costumavam e gostavam de fazer; 

- por outros fatores , como:  a perda de emprego, crises políticas e econômicas, discriminação por orientação sexual e identidade de gênero, agressões psicológicas e/ou físicas, sofrimento no trabalho, diminuição ou ausência de autocuidado, conflitos familiares, perda de um ente querido, doenças crônicas, dolorosas e/ou incapacitantes, casos que vulnerabilizam, ainda que não possam ser considerados como determinantes para o suicídio.

Como posso ajudar?

Diante de uma pessoa sob risco de suicídio, o que se deve fazer?  Segundo o texto “Prevenção do suicídio: sinais para saber e agir ", publicado pelo Ministério da Saúde! Você pode: 

encontrar um momento apropriado e um lugar calmo para falar sobre suicídio com essa pessoa. Deixe-a saber que você está lá para ouvir, ouça-a com a mente aberta e ofereça seu apoio;

- incentivar a pessoa a procurar ajuda de profissionais de serviços de saúde, de saúde mental, de emergência ou apoio em algum serviço público. Ofereça-se para acompanhá-la a um atendimento;

- no caso de achar que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de saúde, de emergência e entre em contato com alguém de confiança, indicado pela própria pessoa;

- no caso de a pessoa com quem você está preocupado(a) viver com você, assegure-se de que ele(a) não tenha acesso a meios para provocar a própria morte (por exemplo, pesticidas, armas de fogo ou medicamentos) em casa;
- ficar em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo.

Por isso, fique atento(a) se a pessoa demonstra comportamento suicida e procure ajudá-la.  É importante conversar sobre o assunto, e informar as pessoas que, se buscarem ajuda, podem se sentir melhor, apoiadas e confiantes para encontrar soluções para suas dificuldades. Esta ajuda pode ser profissional, de amigos, parentes ou dos voluntários do CVV.  Destacamos aqui, o trabalho desenvolvido pelo CVV – Centro de Valorização da Vida onde realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e voip 24 horas todos os dias. A ligação para o CVV em parceria com o SUS, por meio do número 188, são gratuitas a partir de qualquer linha telefônica fixa ou celular. Também é possível acessar cvv.org.br para chat, Skype, e-mail e mais informações sobre ligação gratuita.

Quer saber mais?

Esse é o documento preparado pela Associação Brasileira de Psiquiatria, com o título Suicídio, informando para prevenir (http://www.flip3d.com.br/web/pub/cfm/index9/?numero=14) e o  livro " PREVENÇÃO DO SUICÍDIO:UM MANUAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE EM ATENÇÃO PRIMÁRIA no qual afirma que os principais recursos que podem ajudar a prevenir o suicídio é quando aprendemos a ter sensibilidade, conhecimento, preocupação com outro ser humano e a crença de que a vida é um aprendizado que vale a pena.

Conheça a Cartilha de Saúde Mental desenvolvida pelo Conselho Federal da OAB


Uma palavra da CAARN para você

“Essa é uma pequena iniciativa  da CAARN em prol dessa grandiosa campanha, SETEMBRO AMARELO, cujo objetivo maior é de conscientizar você, advogado e advogada do Rio Grande do Norte, da importância do cuidado, do ouvir, do olhar, do tocar e especialmente de amar a si e ao próximo como pessoas especiais e de importantíssimo valor em nossas vidas e que pode contar conosco para auxiliar e ajudar. 

Sejamos aquilo que o grande pensador potiguar Câmara Cascudo disse certa vez: “uma pequenina célula que procura ser útil na fidelidade da função’”, destaca a Diretora de Saúde da CAARN. E acrescenta: “Como disse o jornalista André Trigueiro, no livro Viver é a melhor opção: ‘Em nenhuma hipótese o suicídio significa alívio ou solução para os problemas. Por que não se dar de presente uma nova chance? Você merece!’”.

Valderice Nóbrega - Diretora de Saúde da CAARN